window.dataLayer = window.dataLayer || []; function gtag(){dataLayer.push(arguments);} gtag('js', new Date()); gtag('config', 'UA-112455398-2');

domingo, 28 de dezembro de 2014

Lição 3. 18 de Janeiro de 2015 Não Terás outros Deuses


Lição 3

18 de Janeiro de 2015
"Não Terás outros Deuses"


TEXTO ÁUREO

"Ouve, Israel, o SENHOR, nosso Deus, é o único SENHOR." 
(Dt 6.4)
VERDADE PRÁTICA
O primeiro mandamento do Decálogo é muito mais que uma apologia ao monoteísmo; trata-se da soberania de um Deus que libertou?Israel da escravidão do Egito. 

LEITURA DIÁRIA

Segunda - 2 Rs 19.15
O rei Ezequias introduz a sua oração com uma expressão monoteísta
Terça - Ne 9.6
Neemias ressalta o monoteísmo na sua oração retrospectiva
Quarta - Mc 12.28-30
O Senhor Jesus ensina que Deus é único, o Criador dos céus e da terra
Quinta - Jo 17.3
A unidade de Deus não contradiz a divindade de Jesus 
Sexta - Ef 4.4-6
O monoteísmo judaico-cristão não contradiz a doutrina da Trindade
Sábado - 1 Co 8.6
O cristianismo é uma religião monoteísta

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
Deuteronômio 5.6,7; 6.1-6

OBJETIVO GERAL

Amar a Deus, temê-lo e adorá-lo de todo o coração e sinceridade.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Abaixo, os objetivos específicos referem-se aos que o professor deve atingir em cada tópico. 
Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos.


Explicar a autoridade da Lei.
Informar que o primeiro mandamento explicitava o anúncio de que havia um único Deus.
Mostrar a exegese do primeiro mandamento.
Apresentar a relação entre monoteísmo e 

INTERAGINDO COM O PROFESSOR

Caro professor, a aula desta semana traz um assunto da mais suprema importância: Deus é um Ser único, invisível, mas real. Deus é Espírito! Numa cultura marcada pelo imediatismo, superficialismo e o consumismo, a imagem de Deus, revelada na Bíblia Sagrada, expõe o caminho tortuoso que a humanidade continua a trilhar no mundo contemporâneo: a "idolatria do supérfluo". Jesus Cristo revelou a plenitude da divindade através do evento humilde do seu nascimento. Deus quis ser reconhecido por meio da humildade, da mansidão e do amor manifestado por seu Filho, apesar de Criador dos céus e da terra, o Todo-Poderoso. O primeiro mandamento ensina que o Deus de Israel, o Deus revelado por Jesus Cristo, deve ser o único assentado em nosso coração, isto é, na sede dos nossos pensamentos, desejos e vontades. Os seres humanos precisam ouvir o chamado de Deus quanto à verdadeira adoração: "Ouve, Israel, o SENHOR, nosso Deus, é o único SENHOR" (Dt 6.4). 


COMENTÁRIO
INTRODUÇÃO

O primeiro mandamento vai além da proibição à idolatria; é contra o politeísmo, seja em pensamento, seja em palavras. O propósito é levar Israel a amar e a temer a Deus, e a adorar somente a Ele com sinceridade. Deus libertou os israelitas da escravidão do Egito e por essa razão tem o direito ao senhorio sobre eles, da mesma maneira que Cristo nos redimiu e se tornou Senhor absoluto da nossa vida.

I. A AUTORIDADE DA LEI

1. A fórmula introdutória do Decálogo. Os Dez Mandamentos estão registrados em dois lugares na Bíblia (Êx 20.1-17; Dt 5.6-21). A fórmula introdutória: "Então, falou Deus todas estas palavras, dizendo [...]" (Êx 20.1), é característica única, como disse o rabino e erudito bíblico Benno Jacob: "Nós não temos um segundo exemplo de tal sentença introdutória". Nem mesmo na passagem paralela em Deuteronômio é repetida, mas aparece de maneira reduzida ao mínimo absoluto.
2. As partes do concerto. O prólogo dos Dez Mandamentos identifica as partes do concerto do Sinai: "Eu sou o SENHOR, teu Deus, que te tirei da terra do Egito, da casa da servidão" (Dt 5.6; Êx 20.2). Estas palavras são a fonte da autoridade divina da lei e o prefácio de todo o Decálogo. É o termo legal de um pacto. De um lado, o próprio Deus, o autor do concerto, e de outro, Israel, o povo a quem Deus escolheu dentre todas as nações (Dt 4.37; 10.15). O nome de Israel não aparece aqui, pois não é necessário. Deus se dirige ao seu povo na segunda pessoa do singular porque a responsabilidade de servi-lo é pessoal, é para cada israelita, mas está claro que o texto se refere a Israel-nação.
3. O Senhor do universo. Alguns críticos liberais, com base numa premissa falsa sobre a composição dos diversos códigos do sistema mosaico, querem sustentar a ideia de um Deus tribal ou nacional na presente declaração. São teorias subjetivas que eles procuram submeter a métodos sistemáticos para dar forma acadêmica ao seu pressuposto. Mas o relato da criação em Gênesis e do dilúvio, por exemplo, fala por si só da soberania de Jeová em todo o universo como Senhor do céu e da terra, reduzindo as ideias  liberais a cinzas.
4. A libertação do Egito. A segunda cláusula - "que te tirei da terra do Egito, da casa da servidão" - é uma explicação de como se estabeleceu o concerto. Estava cumprida a promessa de redenção feita a Abraão (Gn 15.13,14). A libertação de Israel do Egito prefigura a nossa redenção, pois éramos prisioneiros do pecado e Cristo nos libertou (Jo 8.32, 36; Cl 1.13, 14). É legítimo o senhorio de Deus sobre Israel da mesma maneira que o Senhor Jesus Cristo tem o direito de reinar em nossa vida (Gl 2.20).

PONTO CENTRAL
Deus é um Ser singular. Por isso,a nossa adoração e devoção devem ser exclusivas.

CONHEÇA MAIS

Cultura Pagã Egípcia
AO deus egípcio Amon-Rá é um dos principais símbolos da cultura paganizada egípcia. Um deus adorado e venerado na cidade de Tebas. Talvez, a divindade mais popular do Egito. De uma aparência pouco religiosa como outros deuses do panteão egípcio, foi honrado como uma divindade política. Leia mais em Tempos do Antigo Testamento, CPAD, pp.104-107.

SÍNTESE DO TÓPICO I
A autoridade da lei está manifesta na fórmula: "Então, falou Deus todas estas palavras, dizendo [...]".

SUBSÍDIO DIDÁTICO

O primeiro tópico deseja mostrar a autoridade da Lei, como advinda de Deus, por meio da fórmula apresentada no primeiro versículo de Êxodo 20: "Então, falou Deus todas estas palavras, dizendo [...]" (v.1). Tal característica no texto antigo é única e absoluta. Não é Moisés falando por si mesmo, mas o texto revelando que foi o próprio Deus quem descreveu, por intermédio de Moisés, a introdução ao Decálogo. Posteriormente, o versículo 2 acrescenta: "Eu sou o SENHOR, teu Deus, que te tirei da terra do Egito, da casa da servidão". O Deus de Israel identifica-se como o Libertador do cativeiro que assolava a nação


II. O PRIMEIRO MANDAMENTO
1. Um código monoteísta. O pensamento principal do primeiro mandamento abrange a singularidade e a exclusividade de Deus. Esse mandamento é o fundamento da vida em Israel, a base de toda a lei e de toda a Bíblia. Jeová é o único e verdadeiro Deus e somente Ele deve ser adorado (Mt 4.10). É a primeira vez que um código de lei apresenta a existência de um só Deus: "Não terás outros deuses" (Dt 5.7; Êx 20.3). Os povos da antiguidade eram politeístas, pois adoravam a vários deuses. 
2. Idolatria do Egito. Os antigos egípcios empregavam o termo TaNeteru, "terra dos deuses" para o seu país. Havia no Egito uma proliferação de deuses como as tríades Osíris, Ísis e Hórus, divindades padroeiras da cidade de Ábidos; Ptah, Sekhmet e Nefertum, de  Mênfis; AmonRá, Mut e Khonsu, de Tebas. Os israelitas viviam em meio a essa cultura pagã. 
3. Como Israel preservou o monoteísmo de Abraão? Os egípcios abominavam os pastores de ovelhas, principal atividade dos filhos de Israel. Por essa razão os hebreus foram viver em Gósen, separados da idolatria (Gn 46.34).  Agora, o próprio Deus comunicava por meio de Moisés sua singularidade e exclusividade. Era a revelação da doutrina monoteísta.

SÍNTESE DO TÓPICO II
A ideia principal do primeiro mandamento exprime a singularidade e a exclusividade de Deus.


III. EXEGESE DO PRIMEIRO MANDAMENTO

1. Outros deuses. As palavras hebraicas aherim e elohim, "outros deuses", referem-se aos falsos deuses. O substantivo elohim se aplica tanto ao Deus verdadeiro como aos deuses das nações. No primeiro caso, é usado para expressar o conceito universal da deidade, como encontramos no capítulo inteiro de Gênesis 1, pois expressa a plenitude das excelências divinas. 
2. O ponto de discussão. A expressão "diante de mim" (Dt 5.7b), em hebraico, al-panay, é termo de significado amplo: "além de mim, acima de mim, ao meu lado, oposto a mim, etc." Essa variedade de sentido pode levar alguém a pensar que o primeiro mandamento não proíbe o culto dos deuses, mas a adoração aos deuses diante de Deus. Há quem defenda tal interpretação, mas é engano, pois o propósito de al-panay aqui é mostrar que só Jeová é Deus. Não existe nenhum deus além do Deus de Israel (Is 45.6,14,21; Jo 17.3; 1 Co 8.6). Os deuses só existem na mente dos gentios (1 Co 8.5) e não sãos reais (Gl 4.8). Os ídolos que os pagãos adoram são os próprios demônios (1 Co 10.19-21).
3. O politeísmo. É a prática de adoração a mais de uma divindade. Esta era a prática dos cananeus e de todos os povos da antiguidade, e continua ainda hoje em muitas culturas. O termo vem da língua grega, reunindo polys, "muito", e theos, "deus". Isso significa que o politeísta serve e adora a vários deuses, e não o simples fato de reconhecer a existência deles. Trata-se de um sistema oposto ao monoteísmo (monos, "único"), a crença em um só Deus, revelado nas Escrituras Sagradas (Dt 6.4).

SÍNTESE DO TÓPICO III

AO politeísmo é a prática da adoração a mais de uma divindade. Esta fazia parte da cultura dos cananeus e dos povos da antiguidade.

SUBSÍDIO TEOLÓGICO
"Este primeiro mandamento trata diretamente do cerne da relação pressuposta pelo tratado entre soberano e vassalo. O Senhor, em virtude de eleger e libertar salvadoramente o povo tirando-o de outro senhor (o Egito), ordena aos israelitas a empreender e manter uma atitude de lealdade indivisa a Ele. 'Não terás outros deuses diante de mim' (v.3) é uma afirmação categórica das reivindicações exclusivas do Senhor de domínio e adoração. Violar este mandamento é repudiar a totalidade de relação do concerto, pois se trata nada mais nada menos, de alta traição" (ZUCK, Roy (Ed.). Teologia do Antigo Testamento. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2009, p.51).

IV. O MONOTEÍSMO
1. Os mandamentos, os estatutos e os juízos. Essas palavras denotam toda a lei do concerto (Dt 6.1, 2). A pedido do próprio povo, Moisés passa a relatar, a partir daqui, as palavras que Deus lhe disse no monte (Dt 5.27-31). A ordem aqui tem por objetivo estreitar a relação de Deus com os filhos de Israel quando entrarem na Terra Prometida. O povo precisava ser instruído para viver em obediência e no temor de Jeová, e assim possuir a terra dos cananeus por herança (Dt 4.1).
2. O maior de todos os mandamentos. Note que a frase "o SENHOR, nosso Deus, é o único SENHOR" (Dt 6.4) é citada por Jesus Cristo como parte do primeiro e grande mandamento da lei (Mc 12.29, 30). Essa é a confissão de fé do judaísmo e, ainda hoje, os judeus religiosos recitam-na três vezes ao dia. 
3. A Trindade na unidade. A palavra hebraica usada aqui indica uma unidade composta por isso o monoteísmo  judaico-cristão não contradiz a doutrina da Trindade. A mesma palavra é usada para afirmar que marido e mulher são "uma só carne" (Gn 2.24). A expressão "o único SENHOR" se traduz também por "o SENHOR é um" (Zc 14.9). A Bíblia Hebraica, tradução judaica do Antigo Testamento para o português, traduz o termo como "o Eterno é um só". Além disso, vemos a Trindade indiretamente em todo o Antigo Testamento. O Novo Testamento tornou explícito o que dantes estava implícito com a manifestação do Filho de Deus.

SÍNTESE DO TÓPICO IV

O monoteísmo é explicitado na frase "o Senhor nosso Deus, é o único Senhor". Mais tarde foi citada por Jesus como parte do primeiro grande mandamento (Mc 12.30,31).

SUBSÍDIO TEOLÓGICO

"A Religião dos Cananeus
Como mostram os mitos da Ugarite, a religião dos povos cananeus adotava uma forma grosseira e aviltante de ritual politeísta. Estava associada a uma sensual adoração da fertilidade, além de uma particular espécie de orgia e lascívia, tendo se mostrado mais influente que qualquer outra religião natural do Oriente Próximo. A principal divindade reconhecida pelos cananeus tinha o nome de El, a quem creditavam a liderança do panteão. Era uma figura um pouco obscura, adorada como 'pai do homem' e 'pai dos anos'. Uma estela desenterrada em Ras Shamra mostra-o sentado num trono, com uma mão levantada em sinal de bênção, enquanto o governante de Ugarite lhe oferecia um presente. Sua consorte era Aserate, conselheira dos deuses e conhecida pelos israelitas como Aserá" (HARRISON, R. K. Tempos do Antigo Testamento: Um Contexto Social, Político e Cultural. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, p.162 ).

 Os deuses só existem na mente dos gentios e não são reais. Os ídolos são os próprios demônios. 

CONCLUSÃO

A tendência humana é se esforçar para merecer a salvação, por isso ainda há aqueles que se ofendem com a mensagem de que a salvação é pela fé em Jesus, sem as obras da lei (Gl 2.16). O que tais pessoas querem é fazer do cristianismo um remendo de pano novo em veste velha (Mt 9.16; Mc 2.21).

PARA REFLETIR

Sobre o primeiro mandamento:

O que implica para a vida o mandamento "Não terás outros deuses"? 
Exclusividade e entrega inteira para Deus. Não permitir que nenhuma outra coisa tome o lugar de Deus no coração.

Que mal a idolatria pode trazer para a vida de uma pessoa? 
Um comprometimento com princípios pagãos de vida, que nada têm a ver com a vontade de Deus.

Qual é a importância do maior de todos os mandamentos?
Este mandamento era o fundamento da vida em Israel. Os israelitas deviam anunciar Jeová como o único e verdadeiro Deus em meio a uma cultura politeísta.

Por que a nossa adoração deve ser exclusiva a Deus?  
Porque Deus é o fundamento da nossa vida.

"O Senhor nosso Deus é o único Senhor." Que significado este mandamento tem para você?
Procure fazer com que o aluno expresse da maneira mais natural possível o que ele sente ao ouvir essa expressão



VOCABULÁRIO
Exegese: Comentário ou dissertação que tem como objetivo esclarecer ou interpretar um texto ou uma palavra.
Estela: Coluna ou placa de pedra em que os antigos faziam inscrições.


CONSULTE
Revista Ensinador Cristão - CPAD, nº 61, p.38. 
Você encontrará mais subsídios para enriquecer a lição. São artigos que buscam expandir certos assuntos.

SUGESTÃO DE LEITURA

Educação que É Cristã

Educação que É Cristã é um brilhante compêndio de educação cristã que, em um contexto multicultural, utiliza princípios sólidos de ensino bíblico para trazer renovo e vitalidade a esse ensino. Uma ótima dica ao professor!
Dicionário Bíblico Wycliffe

O Dicionário Bíblico Wycliffe proporciona uma vasta rede de informações sobre nomes e lugares mencionados na Bíblia bem como aspectos doutrinários, históricos, e pontos importantes do cenário bíblico.
A Mensagem do Antigo Testamento

O pastor Mark Dever apresenta o Antigo Testamento com clareza e criatividade. Ainda que o AT seja difícil para muitas pessoas, o autor explica cada livro levando ao leitor a simplicidade do amor de Deus ao seu povo.