window.dataLayer = window.dataLayer || []; function gtag(){dataLayer.push(arguments);} gtag('js', new Date()); gtag('config', 'UA-112455398-2');

sábado, 26 de julho de 2014

Lição: 9. 31 de Agosto de 2014. A Verdadeira Sabedoria se Manifesta na Prática


Lição 9
31 de Agosto de 2014

"A Verdadeira Sabedoria 
se Manifesta na Prática"

VERDADE PRÁTICA

A verdadeira sabedoria não se manifesta na vida do crente através do discurso, mas das obras.

HINOS SUGERIDOS 165, 225, 499

LEITURA DIÁRIA


Segunda - 2 Cr 9.22
O rei mais sábio do mundo
Terça - Jó 28.28
Sabedoria e inteligência
Quarta - Sl 111.10; Pv 9.10
O princípio da sabedoria
Quinta - Dn 2.20,21
Deus é o dono da sabedoria
Sexta - Lc 2.52
Jesus cresceu em sabedoria
Sábado - Cl 4.5
Sabedoria para com "os de fora"


LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
Tiago 3.13-18
INTERAÇÃO

Na lição de hoje estudaremos a respeito das duas sabedorias apresentadas por Tiago - a que vem do alto e a terrena. O meio-irmão do Senhor dá início a este tema com a seguinte indagação: "Quem dentre vós é sábio e inteligente?" Atualmente vivemos na sociedade da informação, do conhecimento, mas seria este tipo de conhecimento a que Tiago se refere? Certamente que não. Tiago estava querendo mostrar que o verdadeiro sábio é reconhecido por suas obras, ações. Parece que os leitores do meio-irmão do Senhor estavam contaminados pelo orgulho do conhecimento. A altivez destes deu lugar à inveja amargurada, a ambição egoísta e a sentimentos facciosos. Que venhamos buscar a verdadeira sabedoria que nos ajuda a produzir frutos de justiça para Deus e que promove a unidade da Igreja. 

OBJETIVOS
Após a aula, o aluno deverá estar apto a:
Conscientizar-se de que a nossa conduta pessoal demonstra se a nossa sabedoria é humilde ou demoníaca. 
Mostrar que onde prevalecem a inveja e sentimento faccioso, prevalece também o mal. 
Analisar as qualidades da verdadeira sabedoria.

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

Professor, providencie cópias do quadro abaixo para os alunos. Distribua as cópias e introduza a lição com a seguinte indagação: "Quem dentre vós é sábio e inteligente?" Ouça os alunos com atenção. Em seguida explique que de acordo com os ensinos de Tiago, sábio é aquele que apresenta "bom trato com os outros" e "obras de mansidão". Após, utilize o quadro para mostrar o que é a verdadeira sabedoria e os benefícios que ela traz para nossas vidas e para a Igreja. Conclua mostrando os resultados nefastos da sabedoria diabólica para a igreja e para seus membros.

A VERDADEIRA SABEDORIA X A SABEDORIA TERRENA E DIABÓLICA

A pessoa que tem sabedoria do alto
Benefícios da sabedoria do alto
É amorosa
É fiel
Coloca Deus em primeiro lugar
Sabe discernir o certo e o errado
Ouve e aprende
Faz o que é certo
Vida longa e próspera
Tem o favor de Deus e das pessoas, Boa reputação
Bom julgamento,Sucesso
Riqueza, honra, prazer e paz
Resultados da sabedoria terrena, animal e diabólica
Orgulho • Inveja • Espírito faccioso • Perturbação • Ciúme • Obras perversas
Adaptado da Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal, CPAD, p. 838.

COMENTÁRIO
INTRODUÇÃO

Nessa lição aprenderemos que obter informação, ou conhecimento intelectual, não significa adquirir sabedoria. Algumas pessoas são bem inteligentes, mas ao mesmo tempo inaptas para relacionarem-se com outras pessoas. Hoje estudaremos a sabedoria como a habilidade de exercer uma ética correta com vistas a praticar o que é certo. Veremos a pessoa sábia como alguém que se mostra madura em todas as circunstâncias da vida, pois é no cotidiano que a sabedoria do crente deve se mostrar.

I. - A CONDUTA PESSOAL DEMONSTRA SE A NOSSA SABEDORIA É DIVINA OU DEMONÍACA (Tg 3.13-15)

1. A maldade do coração humano. "Quem quiser ser realmente o maior deve tornar-se o menor de todos, e aquele que desejar o lugar de governo tem de se apresentar como servo". É o que ensina o Senhor Jesus nos Evangelhos (Mt 20.25-28; Mc 10.42-45; Lc 22.24-27). Apesar de a vaidade e a ambição serem sentimentos que despertam desejos latentes no ser humano (Pv 17.20), os discípulos de Cristo não podem permitir que tais desejos os dominem. 
2. A inveja e a facção instauram a desordem. Jesus de Nazaré sabia desde antemão que a vaidade dominaria o coração de muitos dos seus seguidores. Por isso Ele ensinava tal realidade nos Evangelhos. A Epístola de Tiago relata exatamente os problemas anteriormente abordados por Jesus. Nos dias do meio-irmão do Senhor, a "inveja" e o "espírito faccioso" assolavam as igrejas locais (Tg 3.16). Atualmente, muitos são os problemas dessa natureza em nossas igrejas. Injustiças e perseguições ocorrem em nossas comunidades até mesmo em nome de Deus, quando sabemos que o Senhor nada tem com  tais atitudes (Jr 23.30-40).   
3. Obras perversas. Como é do conhecimento de cada salvo em Cristo, onde há "inveja" e "espírito faccioso", o mal impera.  Em um ambiente onde a perversidade e a malignidade estão presentes, muitas pessoas "adoecem" e até "morrem" espiritualmente (1 Jo 3.15). Maldades contra o irmão, mentiras contra o próximo, mexericos e falatórios, enfim, são atitudes que as pessoas que passam a frequentar uma igreja local, naturalmente, esperam não encontrar. Tais problemas listados acima podem facilmente ser evitados (Rm 2.17-24). Depende apenas de cada um olhar para Jesus, depois para si mesmo e iniciar um processo de correção de suas imperfeições e más tendências. Agindo assim, o Senhor certamente dispensará sabedoria para o nosso bem viver (Tg 1.5-8).

SINOPSE DO TÓPICO (1)
A sabedoria do alto, divina, é evidenciada por nossas ações. 

II. ONDE PREVALECEM A INVEJA E SENTIMENTO FACCIOSO, PREVALECE TAMBÉM O MAL (Tg 3.16)

1. A maldade do coração humano. "Quem quiser ser realmente o maior deve tornar-se o menor de todos, e aquele que desejar o lugar de governo tem de se apresentar como servo". É o que ensina o Senhor Jesus nos Evangelhos (Mt 20.25-28; Mc 10.42-45; Lc 22.24-27). Apesar de a vaidade e a ambição serem sentimentos que despertam desejos latentes no ser humano (Pv 17.20), os discípulos de Cristo não podem permitir que tais desejos os dominem. 
2. A inveja e a facção instauram a desordem. Jesus de Nazaré sabia desde antemão que a vaidade dominaria o coração de muitos dos seus seguidores. Por isso Ele ensinava tal realidade nos Evangelhos. A Epístola de Tiago relata exatamente os problemas anteriormente abordados por Jesus. Nos dias do meio-irmão do Senhor, a "inveja" e o "espírito faccioso" assolavam as igrejas locais (Tg 3.16). Atualmente, muitos são os problemas dessa natureza em nossas igrejas. Injustiças e perseguições ocorrem em nossas comunidades até mesmo em nome de Deus, quando sabemos que o Senhor nada tem com  tais atitudes (Jr 23.30-40).   
3. Obras perversas. Como é do conhecimento de cada salvo em Cristo, onde há "inveja" e "espírito faccioso", o mal impera.  Em um ambiente onde a perversidade e a malignidade estão presentes, muitas pessoas "adoecem" e até "morrem" espiritualmente (1 Jo 3.15). Maldades contra o irmão, mentiras contra o próximo, mexericos e falatórios, enfim, são atitudes que as pessoas que passam a frequentar uma igreja local, naturalmente, esperam não encontrar. Tais problemas listados acima podem facilmente ser evitados (Rm 2.17-24). Depende apenas de cada um olhar para Jesus, depois para si mesmo e iniciar um processo de correção de suas imperfeições e más tendências. Agindo assim, o Senhor certamente dispensará sabedoria para o nosso bem viver (Tg 1.5-8).

SINOPSE DO TÓPICO (2)
Onde a sabedoria terrena e diabólica impera, há inveja, espírito faccioso, perturbação e toda obra maligna.

III. AS QUALIDADES DA VERDADEIRA SABEDORIA (Tg 3.17,18)

1. Características da verdadeira sabedoria. O objetivo de Tiago em classificar as diferenças entre a sabedoria que vem do alto, e da terrena e demoníaca, é mostrar que ambas podem facilmente ser identificadas através da prática cotidiana. A primeira qualidade da "sabedoria que vem do alto", ressaltada pelo líder de Jerusalém, é a pureza. O termo é um adjetivo grego, hagnós, que se refere àquilo que é "sagrado", "casto" e "sem mancha". A sabedoria que vem do alto é pura, não no sentido humano da palavra, mas algo que vem exclusivamente de Deus para nós. 
2. Mais sete características. Após assegurar a primeira característica da sabedoria que procede de Deus, a pureza, Tiago elenca outras sete: paciência, moderação, conciliação, misericórdia, bons frutos, imparcialidade e verdade. Note que, de alguma forma, todas têm relação com o autodomínio, ou com o "domínio próprio" (Gl 5.22,23 - ARA). O Evangelho adverte-nos a ser mais humanos e parecidos com Jesus, ou seja, não autoritários, inflexíveis, coléricos, sem misericórdia, parciais com as pessoas e muito menos mentirosos. Isso porque tais más qualidades são provenientes da sabedoria demoníaca, animal e terrena (Gl 5.19-21). O Senhor nos chamou para o bem (Ef 2.10). Procuremos fazer o bem com amor e verdade (Gl 6.9).  
3. O fruto da justiça (v.18). "Bem-aventurado quem tem fome e sede de justiça" (Mt 5.6). Já imaginou essa verdade compreendida e assumida por cada crente onde quer que este esteja? Já imaginou o tipo de mundo que teríamos se compreendêssemos as implicações reais dos termos "fome" e "sede de justiça"? Tiago diz que o fruto da justiça na vida do crente deve ser semeado na paz de Deus. Ele, porém, acrescenta que essa realidade é para os que, sabiamente, "exercitam a paz". Em outras palavras, é preciso trabalhar pela paz. Seja sábio, semeie, portanto, o fruto da justiça e tenha paz!

SINOPSE DO TÓPICO (3)
A sabedoria que vem do alto é pura, moderada, misericordiosa, imparcial e repleta de  bons frutos e obras de justiça.

CONCLUSÃO
A nossa conduta pessoal demonstrará se temos a "sabedoria do alto", que é pura, pacífica, moderada, tratável, cheia de misericórdia, de bons frutos, sem parcialidade e sem hipocrisia; ou se somos portadores da terrena, animal e diabólica, que produz inveja, espírito faccioso, perturbação e obras perversas. Qual o tipo de sabedoria está presente em sua vida? Fomos chamados a não tomar a forma deste presente século, mas para isso precisamos da sabedoria do alto. Só assim produziremos frutos que se coadunam com a sabedoria que vem do alto. Busque a verdadeira sabedoria no Senhor com fé e você será um testemunho vivo do poder de Deus!

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO I

Subsídio Bibliológico
"Sabedoria diabólica 
Essa falsa 'sabedoria' é, principalmente, 'diabólica' (no grego daimoniodes, literalmente 'demoníaca'. Utilizando este termo, Tiago não está dizendo que ela seja 'do demônio', no sentindo de ter se originado dele, mas que é 'demoníaca' em sua qualidade. Essa assim chamada 'sabedoria' tem sua verdadeira natureza exposta pelo fato de resultar em 'perturbação e toda obra perversa' (v. 16). Ao invés de ser uma 'sabedoria' genuína, é simplesmente igual à mesma 'concupiscência' que 'dá à luz o pecado' (Tg 1.14,15), a respeito do qual Tiago anteriormente já preveniu seus leitores. O retrato que Tiago nos oferece daquilo que é considerado como 'sabedoria' pela  maioria das pessoas é bastante perturbador, mas precisamos ser cuidadosos para não entendermos sua linguagem erroneamente. Ele não está sugerindo que não exista qualquer coisa boa na humanidade. O problema com essa sabedoria 'terrena, animal e diabólica' é que tem sua origem na alma humana. Sendo assim, participa dos desejos divididos dos 'inconstantes'; é capaz de fazer o bem, mas também de muitas vezes levar a 'toda obra perversa' (ARRINGTON, French L.; STRONSTAD. Comentário Bíblico Pentecostal Novo Testamento. Vol. 2. 4. ed., CPAD, 2009, p. 876).

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO II
Subsídio Bibliológico
"As Ações Revelam as Origens da Sabedoria (3.13-18)
Esse capítulo começa com Tiago prevenindo contra a soberba de sermos ensinadores, e pode estar ampliando esse conceito nos versos 13 e 14. A maneira mais adequada de demonstrar que alguém é 'sábio e inteligente' não é simplesmente colocar-se à frente  dos semelhantes e discursar sobre seus conhecimentos, mas através de mostrar 'pelo seu bom trato, as suas obras de mansidão de sabedoria'. A verdadeira sabedoria espiritual  somente poderá ser demonstrada através da consistência entre palavras e obras, uma consistência que não só expressa a vontade de Deus, mas que também pratica essa vontade no mundo. Se a motivação que leva alguém a ser um ensinador for 'amarga inveja e sentimento faccioso', mostrará que seus desejos interiores, em seu coração, ainda estão divididos e que ela ainda não aceitou a 'sabedoria' como um dom de Deus. Gabar-se de sua 'sabedoria', como sendo uma conquista pessoal, é o mesmo que iludir a si próprio e 'mentir contra a verdade' (ARRINGTON, French L; STRONSTD, Roger. (Eds.).  Comentário Bíblico Pentecostal Novo Testamento. Vol. 2. 4. ed. Rio de Janeiro, CPAD, 2009, p. 875).

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
RICHARDS, Lawrence O. Comentário Histórico-Cultural do Novo Testamento. 1 ed. Rio de Janeiro, CPAD, 2007.
ARRINGTON, French L; STRONSTD (Eds.).  Comentário Bíblico Pentecostal Novo Testamento. Vol. 2. 4. ed. Rio de Janeiro, CPAD, 2009.

SAIBA MAIS
Revista Ensinador Cristão CPAD
nº58. p.40.

EXERCÍCIOS
1. Segundo as Escrituras, quem é sábio?
R. De acordo com o que nos ensina Tiago, é aquela pessoa que apresenta "bom trato com os outros" e "obras de mansidão". 
2. Qual é a fonte da verdadeira sabedoria?
R. O temor ao Senhor.
3. O que impera onde há “inveja” e “espírito faccioso”?
R. O mal. 
4. Qual é a primeira qualidade da “sabedoria que vem do alto”, ressaltada por Tiago?
R. A pureza
5. Quais são as sete características da sabedoria que procede de Deus, elencadas por Tiago?
R. Paciência, moderação, conciliação, misericórdia, bons frutos, imparcialidade e verdade.